Avançar para o conteúdo principal

Adoptar ou não adoptar?

Eu sou fácil de levar às lágrimas, muito mesmo. Qualquer filme, livro ou música bonita consegue pôr-me a lacrimejar. Mas este vídeo, dedicado aos animais abandonados e maltratados, homenageando aqueles que ajudam estes animais sem receber nada em troca, levou-me mesmo às lágrimas. Custa-me perceber como há seres humanos tão maus, mas isso já é outro assunto.



Depois de ver este vídeo, queria deixar aqui a minha experiência sobre adoptar animais, pode ser que incentive alguém.
Tenho cinco gatos, todos eles adoptados de associações que recolhem  animais da rua, ou mesmo da rua. Seria incapaz de comprar um animal (de raça ou não), seria como querer "escolher" um filho loiro, de olhos azuis, só porque é mais "bonito".
Tenho também muito orgulho em dizer que salvei cinco gatos da rua. São uns lindos e fazem parte desta família. E para quem esteja a pensar em adoptar um animal já com histórico, só posso dizer, que não tenho más experiências, cada animal é diferente, com caracteristicas estranhas, mas os animais adaptam-se. Por isso não tenham medo, se estiverem a pensar em adoptar, adoptem.

 Gaudi - 7 anos, surdo e não gosta de gatos machos, mas é um fofo, aquece os pés, avisa-nos que é hora de comer e está sempre por perto.

Caxemira - 5 anos, muito meiga, só quer colo.

 Fofinha - 7 anos, é cleptómana. Rouba tudo o que pode pelo sim pelo não. A minha família nunca passaria fome com ela, traz pombas, costeletas e postas de bacalhau da vizinhança. Adora pão, meias e não mia.

 Prinçusa - 3 anos. Tímida, adora paraquedismo sem paraquedas, aposta forte em bater os recordes do Guiness sobre atirar-se de uma janela sem partir ossos. Está no bom caminho.

Mimi - 3 anos. A coisa mais fofa do mundo, trouxemos-la da rua e nunca tivemos problemas com ela, só quer festas e mia baixinho a exigir carinho.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Livros e Máquinas Fotográficas nunca são demais.

Prestes a fazer a mala para ir passar uma semaninha junto à praia a minha eterna duvida renasce, quanto livros levar na mala. Usualmente sou prática e despachada, sei as tarefas que me faltam realizar, qual a melhor ordem para elas, o que comprar, levar, etc. Mas quando falamos de malas, ui, ui.

Levo sempre coisas a mais. Acho sempre que pode dar jeito ou que vou precisar de mais aquela outra coisa. Gosto de levar portátil, cadernos, livros, máquinas fotográficas, enfim.

Desta vez como somos 5 a ir no carro, achei por bem limitar o número de malas por pessoa, o que é giro!

Então a dúvida que persiste, quantos livros levo para 6 dias? E máquinas fotográficas? Uma analógica, uma digital e uma lomo? e qual digital? A minha D5100? Não estou a ver! E qual analógica? Uma já testada de preferência para não ficar sem fotos de férias.
Pois!
Decisions, decisions!


Art Journal

Um dos desafios que lancei para 2014 foi a criação de um Art Journal para desenhar, anotar ideias, experimentar novas técnicas e materiais. Escolhi dois cadernos de capa preta e folha grossa, de tamanhos diferentes e lá fui experimentando.

Mas surgiram-me várias dificuldades. E conclui que não tinha escolhido os cadernos certos.

As folhas destes cadernos deverão ser mais grossas do que as que eu escolhi, apontemos pelo menos para mais de 120gr. Folhas finas fazem com as tintas passem de uma página para a outra, contaminando os trabalhos. O tipo de papel terá de se adequar ao tipo de projectos, materiais e gostos pessoais. Se quiserem fazer projectos de grafite, necessitam de um papel muito diferente do que se fosse para usar aguarelas. É também importante se o caderno é colado, cozido ou de argolas, etc. A parte do meio, no caso de um dos meus cadernos, impede que o projecto ocupe as duas páginas, pois não o consigo espalmar. Se gostarem de páginas individuais, poderão usar de argolas,…

8 - Visitar Coimbra #BucketList

E lá fomos a Coimbra. Era um dos passeios a muito prometido, mas que estava constantemente a ser adiado... Mas em Setembro tínhamos uns dias de férias e aproveitamos para ir passar um dia a Setembro.

A cidade é bem gira, tem semelhanças com o Porto, tem um centro histórico bem engraçado. Passamos lá um dia, mas ainda teríamos mais para ver.

O mapa da cidade, que recebi no posto de turismo é horrível, não serve de nada. Na parte da Universidade compramos bilhetes (12€ x 2) para ir ver Biblioteca Joanina,as Saladas dos Capelos, Exame Privado e Armas, a Capela de São Miguel e as Galerias de Física Experimental e História Natural.

Neste caso queríamos ver era a Biblioteca Joanina, que acabou por ser uma desilusão. Muito pequena, com o síndrome de Capela Sistina "no fotos! no fotos" em que havia câmaras e as senhoras vinham a correr para não se tirar fotos, mesmo sem flash, porque afinal no ultimo piso havia a loja com postais a 4€.

E acabei por adorar a Galeria de História Natu…