Avançar para o conteúdo principal

Iversity

Ficar em casa doente dá nisto. Encontrei a Iversity, muito parecido com o Coursera, onde universidades de todo o mundo disponibilizam cursos online sem custos.
No coursera tinha já feito dois, o «Fantasy and Science Fiction: The Human Mind, Our Modern World por Eric Rabkin (University of Michigan)» e o «Introduction to Art: Concepts & Techniques por Anna Divinsky (PenneState)».

Gostei dos dois, mas o segundo com uma componente prática intensa teve outro encanto. Agora, encontrei a Iversity e fiquei logo encantada com dois cursos de lá.

Design 101 (or Design Basics)
Design your own world. Are you ready? Design 101 is a journey into contemporary design in which you will transform yourself and your everyday life into 101 projects. For three months, you will develop basic design attitudes that will allow you to thrive in today’s world, while restoring your understanding of its mechanics. We live in a global community where the physical bits are slowly (and not so slowly) overlapped by social media. Design has become #design. Indeed, the use of new technologies has changed the teaching and, by the same token, the nature of the past; the past is being renewed. Herein lies the conceptual hinge of Design 101: a new way to learn a new design.

The Future Of Storytelling
Together with a whole network of media researchers, creators and students we will: - learn storytelling basics such as antagonist/protagonist relationships, narrative/narrated time, ...
- have a look at exciting current media projects
- analyze how they are designed and executed based on aforementioned basics
- and discuss how (and if) new online tools and formats change the way stories are told and perceived.

Claro já em inscrevi nos dois. Costumam ser muito trabalhosos, mas aprende-se e conhece-se metodos e pessoas novas. Estou ansiosa.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Livros e Máquinas Fotográficas nunca são demais.

Prestes a fazer a mala para ir passar uma semaninha junto à praia a minha eterna duvida renasce, quanto livros levar na mala. Usualmente sou prática e despachada, sei as tarefas que me faltam realizar, qual a melhor ordem para elas, o que comprar, levar, etc. Mas quando falamos de malas, ui, ui.

Levo sempre coisas a mais. Acho sempre que pode dar jeito ou que vou precisar de mais aquela outra coisa. Gosto de levar portátil, cadernos, livros, máquinas fotográficas, enfim.

Desta vez como somos 5 a ir no carro, achei por bem limitar o número de malas por pessoa, o que é giro!

Então a dúvida que persiste, quantos livros levo para 6 dias? E máquinas fotográficas? Uma analógica, uma digital e uma lomo? e qual digital? A minha D5100? Não estou a ver! E qual analógica? Uma já testada de preferência para não ficar sem fotos de férias.
Pois!
Decisions, decisions!


Art Journal

Um dos desafios que lancei para 2014 foi a criação de um Art Journal para desenhar, anotar ideias, experimentar novas técnicas e materiais. Escolhi dois cadernos de capa preta e folha grossa, de tamanhos diferentes e lá fui experimentando.

Mas surgiram-me várias dificuldades. E conclui que não tinha escolhido os cadernos certos.

As folhas destes cadernos deverão ser mais grossas do que as que eu escolhi, apontemos pelo menos para mais de 120gr. Folhas finas fazem com as tintas passem de uma página para a outra, contaminando os trabalhos. O tipo de papel terá de se adequar ao tipo de projectos, materiais e gostos pessoais. Se quiserem fazer projectos de grafite, necessitam de um papel muito diferente do que se fosse para usar aguarelas. É também importante se o caderno é colado, cozido ou de argolas, etc. A parte do meio, no caso de um dos meus cadernos, impede que o projecto ocupe as duas páginas, pois não o consigo espalmar. Se gostarem de páginas individuais, poderão usar de argolas,…

8 - Visitar Coimbra #BucketList

E lá fomos a Coimbra. Era um dos passeios a muito prometido, mas que estava constantemente a ser adiado... Mas em Setembro tínhamos uns dias de férias e aproveitamos para ir passar um dia a Setembro.

A cidade é bem gira, tem semelhanças com o Porto, tem um centro histórico bem engraçado. Passamos lá um dia, mas ainda teríamos mais para ver.

O mapa da cidade, que recebi no posto de turismo é horrível, não serve de nada. Na parte da Universidade compramos bilhetes (12€ x 2) para ir ver Biblioteca Joanina,as Saladas dos Capelos, Exame Privado e Armas, a Capela de São Miguel e as Galerias de Física Experimental e História Natural.

Neste caso queríamos ver era a Biblioteca Joanina, que acabou por ser uma desilusão. Muito pequena, com o síndrome de Capela Sistina "no fotos! no fotos" em que havia câmaras e as senhoras vinham a correr para não se tirar fotos, mesmo sem flash, porque afinal no ultimo piso havia a loja com postais a 4€.

E acabei por adorar a Galeria de História Natu…